13 outubro 2010

Reflexão sobre Cultura & Bom Gosto

Dentre os ataques à personalidade das pessoas, uma das que mais presencio é o ataque à cultura, quando o agressor a julga de mau gosto, escassa ou até mesmo ausente. Eu acho que cultura, assim como inteligência, sexiness e muitas outras coisas, se dá em graus; decompõem-se em diversas matizes e para cada uma dessas matizes há um nível correspondente de profundidade. Dizer se alguém é ou não é culto envolve tantas variáveis que um resultado expressamente quantitativo ("muito culto", "pouco culto") a essa análise costuma tender à invalidade.

Lembro-me de, há uns anos, frequentar um modesto projeto de mostra de cinema realizado por um verdadeiro freak no assunto. Durantes os debates, ao mesmo tempo em que ele pisoteava, por exemplo, Tarantino, ele estava vestido com uma camiseta de Good Charlotte. Ou seja, enquanto sua matiz de cinema era robusta e sofisticadíssima, a de música popular tinha um vetor atrofiado e apontado para a boçalidade.

Mesmo que o last.fm indique compatibilidade máxima ou que vários outros nomes na vida coincidam, os motivos que levam uma pessoa a declarar-se apreciador de algo podem ser tão distintos dos de outra pessoa que a aproximação de seus apreciadores em torno do mesmo objeto pode ser fundamentalmente vazia.

Um exercício mental de longa data que tem mostrado bons resultados foi o de não tirar conclusões (boas ou ruins) nem por causa de Tarantino, nem por causa de Good Charlotte. E é porque eu fico imaginando que, pelos filtros oculares de outras pessoas, eu possa ser igualmente desqualificado por não saber beber whisky ou por não saber onde o Pelé marcou seu milésimo gol. É verdade que eu não consigo evitar a construção imaginária de um mosaico de tags para cada pessoa, mas sei que mais valem as atribuições e pareceres individuais a cada uma delas.

6 comentários:

Nina disse...

Eu sorri com honestidade quando li o segundo parágrafo.
Bom texto, André.

Nayara Gonzalez disse...

hoje eu vinha pra casa pensando mais ou menos nisso... na verdade, em como eu considero válida a dita "literatura menor" (e muitos outros tipos de arte menor).

talvez vire um post, quando eu tiver paciência.

gustavo disse...

Pelé marcou no Maracanã, contra o Vasco. O goleiro Andrada quase pegou.

liginha disse...

faltou dizer que foi de pênalti ahaha

Obe disse...

"a construção imaginária de um mosaico de tags para cada pessoa"

Bingo. Infelizmente é o que sempre fazemos com as pessoas e tem ganho uma força maior nas redes sociais, na vida online. Cultura é tudo aquilo que um povo produz, recebe. Então, ao pé da letra, todos a possuem.
Claro que não dá pra tapar os olhos diante das coisas ruins, mas das péssimas meeesmo, sujas e que não trazem nada. E eu, alguém hoje bem desencanada dos gostos "finos" das pessoas e muito mais preocupada com a essência delas, seu caráter, só me entristeço diante dessa má cultura, dessa cultura suja, pobre.
Ninguém deve gostar de algo por imposição. E vale lembrar que nosso mundo, nosso meio, é apenas mais um, parecido com outros. O mundo é imenso e nós não sabemos é nada.
Boa reflexão.

Abner? disse...

"decompõem-se em diversas matizes e para cada uma dessas matizes há um nível correspondente de profundidade."
Ótimos posts, Parabéns André!